Plano Nacional de Cinema

Plano Nacional de Cinema

AEE /

No âmbito das atividades do Plano Nacional de Cinema (PNC) os professores da disciplina de Área de Integração do 11º ano e a equipa do PNC do AEE levaram 6 turmas do 11º ano, 11ºH+M, com 24 alunos; 11ºL, com 8 alunos; 11ºG, com 10 alunos; 11º I com 16 alunos e 11ºJ, com 21 alunos à Casa Animada (Museu Abi Feijó), em Lousada, no dia 3 de fevereiro. Como na disciplina de Área de Integração, nestas turmas, os professores estão a lecionar o tema-problema “A formação da sensibilidade cultural e a transfiguração da experiência: a Estética” e sendo que os principais objetivos do projeto PNC são a promoção da literacia cinematográfica nos alunos, divulgando obras cinematográficas junto do público escolar, de modo a despertar nos jovens o hábito de ver cinema, valorizar o cinema enquanto arte e conhecer, valorizar e defender o património cinematográfico português, esta visita revelou-se especialmente útil e significativa.

Os alunos, divididos em dois grupos, alternadamente, tiveram de uma visita guiada, apresentada pelo próprio Abi Feijó e uma sessão de curtas-metragens de animação contendo quatro filmes que integram o Plano Nacional do Cinema: Os Salteadores (Abi Feijó 1993),
Fado Lusitano (Abi Feijó 1995), A Noite (Regina Pessoa 1999) e
História Trágica com Final Feliz (Regina Pessoa 2005). A realizadora Regina Pessoa, que também esteve presente, conversou com os alunos sobre a sua obra depois das sessões de filmes. Tendo a escola o dever de proporcionar aos seus alunos uma formação cultural rica, diversa, profunda e com uma consistente matriz cultural o PNC, através da cultura fílmica que tem promovido na escola tem-se revelado uma mais-valia. E, na prossecução desta finalidade, esta visita contribuiu inestimavelmente para enriquecer o conhecimento e o gosto estético dos alunos, condição para compreenderem e para valorizarem um contexto cultural de que fazem parte e um património histórico-artístico que também é o seu  - e que se considera essencial para encontrar um sentido para aquilo que se é e se quer, não só enquanto individuo e enquanto pessoa, mas também enquanto povo e enquanto nacionalidade.